Páginas Sobre

quarta-feira, 20 de junho de 2018

Psicosofia: A emergência da Consciência

Abaixo um trecho do projeto literário de não ficção, 'Psicosofia' de minha autoria.

A emergência da consciência é caos ainda que responsável, pois sem isto não há livre-arbítrio. Por isso somos suscetíveis as intempéries das adversidades e circunstâncias ainda que mediante uma possível predestinação, não determinista. Caos, pois movimento é mudança, direcionada ou não, mas todavia com a incidência em graus diferentes de controle, por isso a loucura é descontrole sobre o caos da mente. A razão emergente da consciência por sua vez demonstra-se como inerente não a ausência de emoções, mas ao controle sobre as mesmas a incidir sobretudo em essenciais aspectos morais o qual qualquer consciência sã se dignifica, a isto chama-se responsabilidade. Ora, a loucura repercute a atos sem moral na ausência de discernimento do certo e errado, verdade e mentira, bom e mal. Ainda que essa consciência seja normalmente suplantada na loucura pelo descontrole instintivo e emocional compreende que a responsabilidade como base moral compõe aquilo o qual o ser humano é capaz de responder em seus atos de forma, em resumo, a responsabilidade é base moral não somente aspectos empáticos. Ou seja, assim como aspectos da criatividade e emoção tenham procedência no caos a razão como eminência do responsável demonstram-se como a predominância da lucidez análoga ao controle sobre o mesmo. Assim compreendemos que a consciência é composta gradualmente por estes ingredientes a fomentar sua crescente complexidade e inteligência. A ausência de alguns desses elementos como em animais demonstra a incompletude da mesma, afinal animais não respondem por seus atos tal como a loucura. A moralidade e a responsabilidade são indissociáveis da consciência humana plena, de modo similar a nos levar a compreensão que determinados conhecimentos emergem essencialmente da empatia.

quarta-feira, 13 de junho de 2018

18 de Junho, dia do Orgulho Autista

Dia 18 de junho aproxima-se o dia do orgulho autista, e sabendo que muitos lerão isto e não comentarão cá explano uma breve reflexão da autobiografia 'Confissões de uma Mente Autista'. 

 Qual mais importante, ser gay ou autista?
As vezes observo uma severa e improdutiva obsessão sexual de alguns sobre sexo, mais especificamente o homossexualismo, ou como se diz, transexual. Passam a maior parte discutindo se fulano é ou não gay como se fosse aquelas revistas inúteis de fuxico de famosos, quando se trata uma mera preferência sexual, mas como se isso definisse a qualidade do que fazem enquanto é o autismo que muitas vezes define. Estão a definir posições sociais? Sabendo que a orientação sexual é menos do que uma preferência alimentar, pois poucos homens transam três vezes ao dia ao contrário das refeições, me pergunto a utilidade de tantas divisões quando todos somos apenas humanos independente de negros, gays, asiáticos... 
No entanto, igualmente observo a minoria dos autistas o qual pertenço, mas ai muitos dizem: "não se apegue a rótulos, o autismo não te define". Besteira, define sim! Enquanto o gay é apenas gay na hora do sexo, o autista tem a inteligência, qualidades e limitações definidas pelo autismo. O autismo define minhas manias, sinceridade, rotinas e preferências. Mas dai os mesmos dizem seja "curado" do autismo, rasgue seu laudo nem que seja para dar um outro inventado, pois estes já alegaram que pra "provar" que sou autista tem que ter exames, mas não pra inventarem um laudo depreciativo de "maluco". Me pergunto, afinal, se estes tem medo que seja autista por se sentirem obrigados a me respeitar ou não me respeitar, pois ambos não passam disso, discriminação. Sou autista e meu cérebro autista tem mais utilidade do que meu ânus ao contrário do que acham os desocupados.

sexta-feira, 1 de junho de 2018

Os 15 Melhores Contos de Minha autoria

Abaixo separo a lista dos 15 contos o qual considero os melhores. Parte de quatro antologias diferentes desde 2012 e com gêneros que variam de ficção científica hard ao fantástico e horror cósmico integram uma multiverso compartilhado criado pelo autor. Os contos são ficções que estão publicadas em coletâneas no CDA (Clube de Autores), para adquirir seu exemplar clique aqui. Mediante a produção de mais um projeto de antologia, alguns contos posteriores poderão vir a integrar um aumento dessa lista numa futura publicação dos melhores contos em 2019. Vejam abaixo a lista:

1 - O Poço Maldito (Cronomancer – 2017)
2 - Sem Origem (Cronomancer – 2017)
3 - Primeiro Seth (Neuroversus – 2014)
4 - Echochronos (Chronomicon – 2012)
5 - Um Curto Conto de Uma Pequena Revolução (Cronomancer - 2017)
6 - Adimensional (Cronomancer – 2017)
7 - Corvo Branco (Todas Formas de Sonhar - 2016)
8 - Caverna das Memórias Póstumas (Todas Formas de Sonhar - 2016)
9 - Além do Horizonte (Todas Formas de Sonhar – 2016)
10 - As Memórias de Todos Nós (Cronomancer – 2017)
11 - Terras do Amanhacer Eterno (Chronomicon – 2012)
12 - Nostalgia é o Futuro (Cronomancer – 2017)
13 - Mil Anos de Escuridão (Cronomancer – 2017)
14 - Temporal Twilight Zone (Chronomicon – 2012)
15 – Ascensão de Mephisto (Chronomicon – 2012)

OBS: Em caso de distribuição ilícita e sem a permissão do autor conflagrado pirataria tipificada pela lei 9.610, por favor informe ao mesmo, maior parte do material está registrado junto a FBN de acordo com a legislação. o trabalho do autor se configura como autônomo e não tem nenhum vinculo com quaisquer instituições ou organizações de modo que não possuo nenhum representante permitido por mim, assim o uso criminoso de minhas ideias não é de minha responsabilidade.

terça-feira, 29 de maio de 2018

A Ordem dos Ventos: Uma introdução

Na comemoração dos dez anos do primeiro livro escrito por Gerson Avillez, falaremos hoje sobe a Ordo Ad Ventus, antiga conhecida da série de livros de ficção científica num universo compartilhado. A ideia do texto seria elucidar questionamentos de alguns leitores o qual acreditam ser uma alusão a uma sociedade secreta real, mas ainda que tenha paramentos com a realidade - e francamente acredito que possivelmente possa ser distorcidamente copiada - a ordem é uma criação numa tentativa do autor de exemplificar o poder de profecias antigas a exemplo da bíblia.
Originalmente criado para o livro 'Crônicas Atemporais' em 2009, a Ordo Christianitas Ad Ventus ou Ordo Ad Ventus (Ordem dos Ventos) que faz alusão a 'Advento' era uma suposta Sociedade Secreta fictícia criada para os livros de viagem no tempo de Gerson Avillez. A ideia central seria a de proteger os segredos pertinentes as viagens no tempo até seu advento num futuro próximo onde tudo seria revelado e assim a ordem seria desfeita. Todavia ainda que investigue aspectos de variáveis dimensionais de outros mundos paralelos conforme é aludido nos livros da série 'Herdeiros do Destino' o objetivo central da Ordem é proteger o advento das equivalentes viagens temporais e dimensionais, ou seja, a proteção de um destino ao contrário de organizações e seitas criminosas como a 'Bug's Time' e a 'Ordo Ad Chaos', inimigas da Ordo Ad Ventus através dos tempos. Abaixo algumas novelas e romances o qual aborda a sociedade fictícia ou memética.

- Crônicas Atemporais (2009)
- Herdeiros do Destino (2013)
- O Livro Maldito (2014)
- Herdeiros do Caos (2017)
- Sombras dos Tempos (em produção)

quarta-feira, 9 de maio de 2018

Poder Simétrico e Assimétrico

O Estado deve em essência e origem servir ao povo, porém, quando a cobrança, o enfado desigual do dever é desproporcional ao direito oferecido seja tributário ou por oportunidades ele se torna um poder assimétrico de modo que o povo passa a servir ao governo, não ao contrário. Assim como o estado deve garantir que o cidadão não cometa crime como dever do povo o governo tem igual dever de assegurar seus direitos básicos, porém, não é o o que ocorre quando a constituição não é direito de todos, mas privilégio de poucos comprovando que esse governo é no mínimo ineficiente, quando não corrupto. Isso ocorre quando criminosos se aparelham da máquina do estado em benefício exclusivamente próprio, de poucos.
Seria o mesmo que cobrar que o cidadão não cometa crimes, mas mas não lhe dá a menor condição e possibilidade disto por uma má gestão ineficiente e incompetente. A sociedade harmonizada prima por relações em todas as esferas e graus de modo simétrico e proporcional pois é opressor e desigual que alguns tenham apenas deveres e outros apenas privilégios como estabelecendo uma relação exclusivamente parasita com o povo, pelo simples fato de que não pode existir lei sem justiça e justiça sem lei por preceitos básicos dos três poderes.

Trecho de 'Confissões de Uma Mente Autista' de Gerson Avillez.

segunda-feira, 7 de maio de 2018

A Realidade Não É a Verdade

A realidade nem sempre é a verdade pois há realidades culturais que se escoram em mentiras, ainda que o resultante possa ser uma verdade a respeito da realidade, mas o mesmo nem sempre pode ser dito da realidade. O exemplo mais vivo disso estão nos mitos culturais e religiosos em que derivam práticas reais do qual são provenientes, mas de raízes muitas vezes falsas. Isto acontece pois a construção da realidade parte da prática das interpretações da verdade, não da verdade em si. Ora, enquanto a verdade é objetiva a interpretação da mesma e sua percepção sempre será subjetiva. Os maias matavam aos milhares pois em sua subjetividade acreditavam que isso seria necessário para fazer o sol amanhecer, similarmente os negros eram escravizados pois eram considerados menos humanos, mas sabemos que ambos casos são mentiras o que prova que sua crença em algo não a torna verdade pois os negros nunca foram menos homens assim como o sol nasce independente do que fazemos. Isto parte de um conhecimento incompleto da verdade, não a verdade, pois seu conhecimento da verdade não é a própria verdade, assim como há diferença entre informação e conhecimento. Ou seja, é um pensamento anticientífico pensar que algo deixou de ser verdade quando na verdade a crença nele que não era verdadeira assim como não devemos moldar os fatos as teorias, mas o contrário. Se crença fosse verdade o desejo igualmente o seria, mas sentir e desejar por mais verdadeiro que seja é um processo interior ao contrário da verdade exterior a ela. Se a verdade é subjetiva logo a crença é a verdade, quando sabemos que muitas vezes não.
Um exemplo estão em árvores que caem em lugares que não vemos, crer que não caíram não mudará a verdade mas sim a realidade em que pertence. Similarmente padrões da realidade determinam posições sociais onde muitas vezes alguém sem cometer crimes é marginalizado como criminoso, seja por ser pobre ou de etnia diferença e etc, enquanto alguém de grande prestígio e posição social possa vir a ser o verdadeiro criminoso, mas apenas por não se ver seus crimes ele não é considerado de tal forma. A realidade vende ilusões a verdade não.
Assim podemos supor que há graus e tipos de verdades e não somente variáveis de subjetividades, mas verdades por convenções, por causalidade e por circunstâncias. O próprio ato de definir uma verdade é semanticamente conclusivo ainda que verdades por convenção, mas assim como algo pode ter nomes diferentes em culturas diferentes a essência disto não será diferente em ambas ao se tratar de uma verdade não meramente por convenção cultural ou religiosa, como a morte - ainda que para esta crie-se mitos metafísicos.
Assim compreendo que há verdades o qual independente de sua interpretação divergente não altera sua essência, há verdades o qual o oposto ocorre.

Trecho de 'Confissões de Uma Mente Autista' de Gerson Machado de Avillez. 

domingo, 6 de maio de 2018

Autoconhecimento é a Essência do Ser

O autoconhecimento é imprescritível para se ter autoconfiança e amor próprio e, cientificamente o princípio da sapiência, você não pode amar ou confiar em algo que não sabe, desconhecido, enigmático, misterioso, obscuro, vago mesmo que eventualmente haja atração nisto por respostas, o mesmo aplica-se a si próprio. Autoconhecer-se sobretudo é definir-se, não deixar-se definir, assim como uma videira não pode dar laranja, ou uma laranjeira uva pois pelo fruto conhecereis a árvore, você apenas será o que faz não o que fazem de você e muito menos meramente o que dizem de você. Afinal você não pode chamar um pássaro que voa de rato pois é oposto a essência da natureza, assim alguém que defende de modo integral e imparcial a lei como bandido. Ainda que haja forças atuantes na sociedade se algo sobrepõe seu livre-arbítrio determinando suas ações logo você não é culpado pois na escolha resiste o certo e errado e consequentemente a culpa - algo o qual a esquerda está inclinada a crer. Porém, há uma mescla de fatores e não um único fator de influência, pois sempre há escolha na mais hostil situação nem que seja no conhecido lutar ou voar (do inglês fight or flight) da psicologia.
Mas não é por um pombo cagar na sua cabeça que você será privada ou por um raio cair em você que você será para-raios, mesmo que te pisem isso não te torna tapete pois assim como numa nota de dinheiro seu valor não é determinado pela condição que é tratado. Ser vítima muitas vezes não é uma escolha, seja das circunstâncias ou da ação de terceiros, dos outros, mas isto não determina que você seja perdedor ou inferior a menos que você desista, pois continuar sendo vítima depende exclusivamente se você aceita passivamente ou toma as rédeas de sua vida e se torna protagonista de sua história ou se será um relés coadjuvante de si próprio pelo que os outros determinam. Liberdade exige coragem e deve ser tomada com firmeza e responsabilidade. Mas se for se conformar lembre-se que coadjuvantes nunca ganham o premio principal. 
Naturalmente que há sempre o risco, mas para se cair basta estar de pé assim como para se morrer basta estar vivo, a única perda total é a morte pois na vida você já nasce vencedor, pois dentre milhares de espermatozoides você fecundou o óvulo. Ainda que num rio uma corredeira te pegue se você não lutar a certeza é que se afogará ao invés de agarrar-se numa madeira. Procure o meio, a moderação, não extremos, não seja pessimista nem otimista, seja realista ainda que forças negativas atuem para tornar a realidade má. Mas se você lutar e nada der certo lembre-se do apóstolo Paulo, um dos cristãos mais perseguidos: "combati o bom combate", pois sobretudo "somos mais que vencedores".
 
Trecho de 'Confissões de Uma Mente Autista' de Gerson Machado de Avillez.