Páginas Sobre

terça-feira, 25 de março de 2014

Superioridade e inferioridade cultural

Ao discutir durante uma aula de 'Cultura brasileira' os fatores que determinariam quem tem cultura ou não levando a ideia de cultura 'superior' e ou 'inferior' o autor teceu um fator que poderia servir como determinante a tal concepção como colocado abaixo:


O nível de uma cultura somente poderia ser determinado justamente pelos valores morais que a recompõe, pois não há dúvida que um povo primitivo que sacrifica seus filhos, escraviza, estupra suas mulheres e comem seus inimigos não tem o mesmo valor que uma cultura onde os talentos são valorizados e não há quem seja descartado. Onde há discriminação em todos seus modos, há inferioridade moral e ineficácia de valores imparciais ante a incapacidade de nivelar a população conforme suas aptidões. Termos de miserável denota a pregação da miséria, do desgraçado a desgraça e do párea um rotulo a propor quem deve ser perseguido ou não. Propor a depreciação de um por ser 'perdedor' denota apenas que os 'vencedores' se quer são dignos de tal vitória. Toda cultura edificada pela retórica demagógica é falsa e como todo sistema ilusório, é inferior a verdadeira natureza da realidade. Por isso valores são distorcidos para servir a uma estrutura de poder.
Os conceitos de superioridade assim estariam relacionados ao meio social e convívio mediante seu grau de hostilidade a algo especifico com avanços morais proporcionais ao conhecimento adquirido. Porém, a concepção limite de uma suposta superioridade seria utópica o qual o conceito atrela-se a perfeição de um sistema o qual não há marginalizados ou abismos de qualquer tipo, dominado pela informação e igualdade. Naturalmente que um conceito chave para determinar a inferioridade moral de uma cultura é justamente o trato inferior com quem costuma tratar como inferior, ou seja, a discriminação, signo da ignorância é característica comum de uma cultura que falha moralmente.
O conceito de inferioridade tem relação com o de interiorização o qual não poderia utilizar minha realidade, por exemplo, como parâmetro de uma superioridade por ser marginalizada. Mas um conceito de superioridade assim é sua ausência pois numa concepção utópica de perfeição corresponde ao fim dos abismos e acepções como catalizadores a discriminações e que por diferenças fazem o 'inferior' e o 'superior' em qualquer grau, quer financeiro, social ou moral pois subentende-se que onde houver pobre e rico, haverá diferença e assim superior e inferior pelo fato de que é o abismo entre estes que criam tais parâmetros ao contrário de um conceito igualitário e nivelado. Obviamente que a ignorância é fator comum determinante a inferioridade na realidade de quem a impõe, o tolo que assume uma posição de falsa sabedoria.
O único fator determinante assim de superioridade ou inferioridade determina-se na concepção de valores homogêneos e sua aplicação imparcial numa moral comum o que não é interesse a vigência atual o qual impõe classes pela ignorância, imposição e marginalização fora destes aspectos orgânicos naturais a empurrar padrões culturais principalmente a mídia, a marginalização é uma forma de excluir dado individuo ou grupo, o próprio sistema inferiorizador é inferior moralmente. Convém então a uma educação de transformação que a medida em que conserve o status quo da consciência individual e coletiva, transforme o sistema derivador da realidade em algo libertador.
Trecho de 'Ars ad Speculum' de Gerson Machado de Avillez

Um comentário:

  1. Eu não acho que a diferença econômica entre classes seja um aspecto de inferioridade, e eu acrescentaria mais critérios para definir uma cultura inferior, embora concorde sim com alguns dos argumentos do post.

    ResponderExcluir